• LocationRecife - State of Pernambuco, Brazil

Mete a Colher

Somos uma rede colaborativa que ajuda mulheres a sair de relacionamentos abusivos e enfrentar a violência doméstica.

O problema que pretendemos resolver:

Segundo estimativa do IPEA (2016), aproximadamente 16 mulheres foram assassinadas por dia entre 2011 e 2013, vítimas de violência doméstica. O medo, a vergonha e o sentimento de desamparo são as principais barreiras enfrentadas por mulheres na hora de tomar uma atitude.

A solução que o nosso projeto oferece:

Estamos desenvolvendo um app para conectar mulheres, permitindo que elas se ajudem mutuamente a sair de situações de abuso. Abrigo temporário, apoio psicológico e ajuda jurídica são algumas das formas de ajudar.

O impacto que nosso projeto teve até hoje:

Ajudamos mulheres de todo o Brasil a saírem de relacionamentos abusivos através de uma fanpage e um grupo no Facebook.

Colabore

Não existem necessidades no momento. Entre em contato com Aline Silveira se você pode contribuir e ajudar.

Quem está por trás deste projeto?

Celebramos o envolvimento com a comunidade: quanto mais você interage, mais estrelas ganha! (Escreva um comentário, publique um projeto ou solicite uma necessidade)

Sobre o projeto

Somos o Mete a Colher, uma rede de apoio que ajuda mulheres a sair de relacionamentos abusivos e enfrentar a violência doméstica.

A ideia do projeto surgiu dentro de um Startup Weekend Women, em março de 2016, aqui mesmo em Recife. Carolina Cani, Lhais Rodrigues, Aline Silveira, Renata Albertim, Thaisa Queiroz e Emily Blyza se uniram em torno de um problema social que atinge muitas mulheres: o abuso físico, sexual, emocional e psicológico em relacionamentos. A principal informação que emergiu de pesquisas realizadas pela equipe foi a de que mulheres que vivem em relacionamentos abusivos precisam muito desabafar e conversar sobre sua situação com pessoas dispostas a escutar, sem julgamentos e com muita empatia. Além disso, a falta de apoio da família e amigos, a descrença no poder público e o medo do agressor são as principais barreiras que impedem essas mulheres de mudar sua situação. Elas precisam de ajuda.

Hoje o Mete a Colher funciona em duas frentes: temos uma fanpage no Facebook com quase 40 mil seguidores, que divulga conteúdo educativo sobre diversos tipos de abuso que ocorrem em relacionamentos, além de links sobre sororidade e feminismo de modo geral. Temos também um grupo secreto, que é para onde encaminhamos os pedidos de ajuda que recebemos através da fanpage. Nesse grupo, mulheres podem contar seus relatos, conversar entre si e oferecer ajuda mutuamente. Em apenas 6 meses de vida, já conseguimos impactar diretamente mulheres do país inteiro através de nossa rede de apoio, que conta com advogadas, psicólogas, policiais e assistentes sociais, todas oferecendo apoio de forma voluntária. É muito gratificante ver a rede funcionando, mesmo sem a estrutura ideal, com nossa equipe fazendo a mediação diretamente. A ideia do aplicativo é expandir essa rede, e deixar o contato mais fluido entre quem precisa de ajuda e quem pode ajudar.

Para desenvolver o app Mete a Colher, fizemos uma campanha de financiamento coletivo, entre agosto e setembro deste ano. Foi difícil, emocionante e contamos com o apoio de muita gente incrível que acreditou na nossa causa nesses 45 dias intensos de campanha. Na reta final, conseguimos o valor de R$45 mil, necessário para a implementação do aplicativo com toda a segurança e eficiência que ele precisa ter. Estamos na fase inicial de desenvolvimento, e a previsão é de que o app seja lançado no primeiro semestre de 2017, disponível gratuitamente para as plataformas iOS e Android.

Nesse curto porém intenso tempo de vida do Mete a Colher, estamos incorporando nos nossos vocabulários (e na vida) palavras como sororidade, empoderamento, impacto social e empreendedorismo, e acreditamos que são esses os alicerces para um mundo mais justo e igualitário, que preza pelo respeito e qualidade de vida das mulheres. E, como o próprio nome já diz, estamos aqui para desmistificar o que antes era normatizado: em briga de marido e mulher a gente Mete a Colher!

Atividades do projeto

Aline Silveira projeto criado
Adicionar comentário

Necessidades abertas

Sugira uma contribuição

Você tem habilidades que poderiam ajudar este projeto? Entre em contato e descobra como você pode participar.